sábado, 25 de outubro de 2008

Como se brotasse
Da terra
A indumentária do sonho
Tantas vezes
Acalentado em outonos infernais.
Separação,
Concursos,
Pedras!
Planos de alçar vôo
Em espaços mais amenos...

Carlos Maia.

24/04/99.

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Eu, andarilho das estrelas
Navego
Entre as pedras oníricas
Lembrando-me
De vidas ancestrais...

Carlos Maia.

31/12/2007

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Ah!...As andorinhas...
Em seus vôos plenos de sol...
A alegria plena de paz
Pulsando em cada célula
Do seu ser.
Os Boing’s jamais terão
A alegria desse vôo
Pleno...
De liberdade,
De vida saudando
O criador,
Da alegria de existir,
Simplesmente
Existir...

Carlos Maia.

Junho/92.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

sábado, 18 de outubro de 2008

Olho para a porta aberta
Do meu guarda-roupa
E escrevo esta poesia
Num caderno que não é meu
Com uma caneta
Que não escreve
E ouço
Uma música que já não é minha...
Olho para a porta aberta
De um quarto
Que já não é meu...
Nada me pertence
E eu fecho as portas
Daquela pessoa
Que eu fui;
E não tenho mais
Saudades,
O
Futuro
Me
Espera
E eu parto
Em busca
De uma rosa
perdida
a vagar
pelas
estradas
da minha
mente...
O Futuro
Me
Espera
caro amigo
sentado
no meu
quarto
a
ler playboys
e livros e a me fazer
perguntas.
Olho agora para a porta aberta
Do meu Destino...
E me questiono
Por que a vida
De repente
Ficou sem sentido?
Escrevo com uma caneta sem tinta
Num caderno que não é meu!
Acabou a tinta
mas eu continuo a escrever!
Acabou a tinta
a tinta acabou!

Carlos Maia

Junho/80.

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Nao posso mais dizer A Deus - Poeta França - in memorian

Canto de Amor e Lama I - Erickson Luna

Embarcações

Lancei-me jangada ao mar
Como se todo prazer que houvesse
Ali estivesse presente
Lancei-me pequena embarcação
De madeira leve e resistente
Nesse vento que me leva
Nesse vento que me traz
Leva a jangada ao poente
Traz a jangada ao nascente
Mas não leva ao porto, cais
Lancei-me barquinho de papel
Em busca de grande paixão
Os mares oferecidos
Esquecidos sem razão
Lancei-me canoa errante
Sem rota, a deslizar
Nas correntezas gigantes
Sem medo de naufragar
Nesse vento que me leva
Nesse vento que me traz
Leva o barquinho ao poente
Traz, o barquinho ao nascente
Só não leva ao porto, mais.

Wolney Mororó

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Segunda-feira morta
No Recife antigo.
Passeio pelos
Recônditos de minha
Alma,
Deserta,
Como este lugar.

Carlos Maia.

23/01/06.

Meu passado...
Tudo que vivi
Tudo que sou
Todos os descaminhos
Todos os acertos
Todo gozo
Toda dor
Todo aprendizado...
E ao mesmo tempo
É tudo
Como folhas de outono
Voando na relva...

Carlos Maia

13/10/08

domingo, 12 de outubro de 2008

O Livro do Desassossego - Bernardo Soares

270.
A arte livra-nos ilusoriamente da sordidez
de sermos. Enquanto sentimos os males
e as injúrias de Hamlet, príncipe da
Dinamarca, não sentimos os nossos -
vis porque são nossos
e vis porque são vis.
O amor, o sono, as drogas e intoxicantes,
são formas elementares da arte, ou, antes,
de produzir o mesmo efeito que ela.
Mas amor, sono e drogas tem cada um
a sua desilusão. O amor farta ou desilude.
Do sono desperta-se, e, quando se dormiu,
não se viveu. As drogas pagam-se com a
ruína de aquele mesmo físico
que serviram estimular.
Mas na arte não há desilusão porque
a ilusão foi admitida desde o princípio.
Da arte não há despertar, porque nela não
dormimos, embora sonhássemos.
Na arte não há tributo ou multa
que paguemos por ter gozado dela.
O prazer que ela nos oferece, como em certo
modo não é nosso, não temos nós que
pagá-lo ou que arrepender-nos dele.
Por arte entende-se tudo que nos delicia
sem que seja nosso - o rasto da passagem,
o sorriso dado a outrem, o poente, o poema,
o universo objetivo.
Possuir é perder.
Sentir sem possuir é guardar,
porque é extrair de uma coisa
a sua essência.
Fernando Pessoa
pg. 264

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

17 Ramiro Musotto TEZCATLIPOCA DVD SUDAKA ao VIVO

A Vã Ressurreição e a Noite Plena - Nelson Saldanha

Reacender as lâmpadas.
Com elas reordenar as sombras,
e entre elas cruzar o páteo,
onde há longo tempo jazem sem uso
as telhas derrubadas.
Tirar de novo o barco das amarras,
levantar outra vez ferros e portas.
Atravessar o medo antigo e fundo,
mover os remos outra vez.
De novo desenterrar as vísceras,
atar de novo as cartilagens,
riscar veias.
Retomar os degraus desmantelados,
reassumir o pulso, as mãos, os passos.
Entretanto,
apesar dos esforços,
receber a morte pressentida,
prometida desde muito.
Escutar as notas graves,
que ecoam e ressoam como sombras,
e sentir, para além das cartilagens,
a noite interminável.
Noite franca, aberta e pérfida,
profusa e leve,
escura como as vísceras, corrente;
estendida sem peso sobre a relva,
posta sobre si mesma.
Noite extensa,
fiel e lenta, traiçoeira, múltipla,
fosca e sem cor, eterna e provisória.