quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Preces ao Futuro - Luciana Cavalcanti



Para o avô de Luciana

Nunca nos cansemos de dizer
das coisas mais belas e boas:
fruta colhida no quintal,
entardecer olhando o céu,
prosear de compadres na calçada,
novena e procissão
no interior. Gente simples
falando com Deus!

Nunca nos cansemos de dizer
dos amores mais fundos e certos:
cabelos brancos,
riso franco, voz cansada
carregando tanta ternura
que parece até que o tempo
multiplica a força do amor em mil,
cada dia...

Nunca nos cansemos de ser
como sonhamos ser quando crianças,
sábios e grandes
porque sabedores das coisas,
conhecedores do Mundo,
amigo das gentes, desde as influentes
às mais simples. E, todas, importantes!

Nunca nos cansemos de ter,
como mirante para olhar o Mundo,
uma despretensiosa cadeira na calçada
e a disposição de conversar e aprender.

Nunca nos cansemos de trabalho e riso,
de abençoar crianças,
de rir-se das brincadeiras desta meninada.

Nunca nos cansemos de sermos a força
do Amor com que asfaltamos nossa estrada...!



quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Recital "Cesta Poética"

Outonal - Sérgio Leandro



Ornamentavam a minha tarde
as folhas que tombavam das árvores
em honra do outono.

Eu teci com minhas preces vazias
um tapete para recobrir o infortúnio
de estar tão perto e tão distante do Deus vizinho...

Nem céu, nem inferno
somente o desassossego
debaixo do ruflar de asas do querer contrariado

Nem céu, nem inferno
somente folhas secas
recobrindo o chão do outono com mensagens para
os homens.



04/02/2009


A exposição das máquinas é a alma tecnológica,
hoje dádiva divina da vaidade humana.
Os valores alienados quantificam e qualificam
o abastado indivíduo que busca
o sentido para a vida.
A comunicação  encontra-se perdida no vazio existencial
e realiza-se na satisfação do aparato nas novas tecnologias.
Procura-se o diálogo, o brilho dos olhos,
o sorriso sincero e o abraço.
Hoje produtos perdidos
no grande tabuleiro da fragmentação
humana!
Armando Guimarães
27/09/11

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Esta música eu dedico para minha netinha que se chama Luiza.

Coração de Poeta - Sérgio Leandro.


Eu caso meu coração de poeta
com o cheiro de café
da manhã que nasce.

Eu caso meu coração de poeta
com os caminhos do esquecimento,
com as bandeiras sem pátria,
e com a cor sem nome que enche teus olhos tristes.

Com anjos do presente
e fantasmas do passado
eu caso meu coração de poeta.

Vejo homens acenando adeus.
Quando eles me saúdam sorridentes pelas ruas,
uma lágrima despenca de seus sorrisos.

Alguém plantou inquietação no coração do homens.
 
04/02/2009
 
 
 

domingo, 25 de setembro de 2011

Saída de Emergência - Sérgio Leandro.


Meu coração tem uma porta lateral
por onde entram e saem a todo instante
o homem que perdeu a direção,
o cão de olhos tristes,
a criança sem pai,
o poema que não foi passado a limpo...
o que sei da vida é muito pouco
para calar meus medos infantis
e acalentar o homem apavorado.
Meu coração tem uma porta lateral
por onde arrasto um punhado de canções
para alegrar o cão de olhos tristes,
a criança sem pai,
e o homem apavorado.
13/02/2009

EVA - Sérgio Leandro.


Eu amo o inferno
que trazes entre as pernas,
teu cheiro inebriante de cio,
as maçãs vermelhas,
os teus ais,
a flor em chamas do teu sexo,
tudo aquilo que guardas,
negas, mas depois me entregas...
da cor dos teus cabelos
ao sangue dos teus pés
loucura e fome se constroem,
o pecador devora o santo.
Deita-te comigo e me ama
doce e ferozmente,
que o leite da espera
anseia o cálice do teu corpo.
10/03/2009

O homem com as suas
Máquinas posantes
Distancia-se
A cada dia mais
Do próprio homem
E anda perdido no facebook,
Orkut, E-mail's e internet
E não vê mais o amigo
Face a face!


Carlos Maia
24/09/11 

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

TROCAR o Face a Face pelo Facebook? - Jomard Muniz de Brito


Em nome da verdade mais precária
alerto aos navegantes da internet que
tudo não passa de alegria febril da
cineasta Luci Alcântara talvez tentando
tornar-me contemporâneo, ó tolice!
quando muito melhor é ser extemporâneo.
Na condição de IMpaciente de todas
pressões comunicantes fico instigando
a solidão de leituras, caminhadas libertas
do Parque 13 de maio ao Gato Que Ri.
Conversações quase analíticas com
amigos intergeracionais. Precariedade
nas interações digitais. A favor das
palavras de ordem e desordens afetivas.
Não consigo ler poemas nem ensaios,
sem imprimí-los. Biblioteca não suporta
papeis avulsos e compulsivos diários.
LUTAR SEMPRE. DESISTIR NUNCA
no Grito dos Excluídos. Mais bicicletas,
menos automóveis. Alegoria de uma jovem
representando o planeta sem opressões
nem corrupções. Utopia necessária para
transparências. Cidadães exigências.
Ao pensar a poeticidade através de tudo:
das elucubrações (palavra horrenda!)
filosofantes às aliterações desses
íntimos atentados... transparentes?
Desejos desejantes impedem oportunistas
trocatrocas e trocadilhos: dos Partidos
enquanto lojas de conveniência.
Impossível trocar a compaixão vivida
pelo Dalai Lama com o ludismo sapiencial
de Vavá Schön Paulino, tão brasilírico.
Demasiado trocar a poeira cósmica pelo
mapa do céu dos astrólogos. Mais ainda
o outono do medo pelo verão luminoso
das biodiversidades.
Incluir "o bando de tietes da net" no
bandido da luz vermelha de Helena
Ignês Sganzerla.
Maior do que o nome - Glauco César de
Lima e Silva Segundo - o sucesso
arcoverdejante do jovem pianista na
Jornada Literária /Portal do Sertão/SESC-PE.
Jussara Salazar e João Urban
ultrapassando Polônias, Caruarus e
Curitiba para inaugurar travessias
na pele da moça Maria das muitas
Graças, santa e pomba-gira, mistérios
da religiosidade que outros experimentam
desconstruir pela retórica fenomenológica.
Jamais trocar o quase da invenção
pelo talvez das depressões ideológicas.
Conectar o rigor da transparência com
a plena fruição das cidadanias.


Recife, setembro de 2011.

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Diretamente do blog de Domingão.


Todos os ”governantes” do Brasil até aqui, falam em cortes de despesas – mas não dizem quais despesas - mas, querem o aumentos de impostos como se não fôssemos o campeão mundial em impostos.
 Nenhum governante fala em:
1. Reduzir as mordomias (gabinetes, secretárias, adjuntos, assessores, suportes burocráticos respectivos, carros, motoristas, 14º e 15º salários etc.) dos poderes da República;
2. Redução do número de deputados da Câmara Federal, e seus gabinetes, profissionalizando-os como nos países sérios. Acabar com as mordomias na Câmara, Senado e Ministérios, como almoços opíparos, com digestivos e outras libações, tudo à custa do povo;
3. Acabar com centenas de Institutos Públicos e Fundações Públicas que não servem para nada e, têm funcionários e administradores com 2º e 3º emprego;
4. Acabar com as empresas Municipais, com Administradores a auferir milhares de reais/mês e que não servem para nada, antes, acumulam funções nos municípios, para aumentarem o bolo salarial respectivo.
5. Acabar com o Senado e com as Câmara Estaduais, que só servem aos seus membros e aos seus familiares. O que é que faz mesmo uma Assembleia Legislativa (Câmara Estadual)? 
6. Por exemplo as empresas de estacionamento não são verificadas porquê? E os aparelhos não são verificados porquê? É como um táxi, se uns têm de cumprir porque não cumprem os outros? E como não são verificados como podem ser auditados?7. Redução drástica das Câmaras Municipais e das Assembléias Estaduais, se não for possível acabar com elas.
8. Acabar com o Financiamento aos partidos, que devem viver da quotização dos seus associados e da imaginação que aos outros exigem, para conseguirem verbas para as suas atividades; Aliás, 2 partidos apenas como os EUA e outros países adiantados, seria mais que suficiente.
9. Acabar com a distribuição de carros a Presidentes, Assessores, etc.., das Câmaras, Juntas, etc., que se deslocam em digressões particulares pelo País;
10. Acabar com os motoristas particulares 24 h/dia, com o agravamento das horas extraordinárias… para servir suas excelências, filhos e famílias e até, as ex-famílias…
11. Acabar com a renovação sistemática de frotas de carros do Estado;
12. Colocar chapas de identificação em todos os carros do Estado. Não permitir de modo algum que carros oficiais façam serviço particular tal como levar e trazer familiares e filhos, às escolas, ir ao mercado a compras, etc.;
13. Acabar com o vaivém semanal dos deputados e respectivas estadias em  em hotéis de cinco estrelas pagos pelos contribuintes;
14. Controlar o pessoal da Função Pública (todos os funcionários pagos por nós que nunca estão no local de trabalho). HÁ QUADROS (diretores gerais e outros) QUE, EM VEZ DE ESTAREM NO SERVIÇO PÚBLICO, PASSAM O TEMPO NOS SEUS ESCRITÓRIOS DE CONSULTORIAS A CUIDAR DOS SEUS INTERESSES….;
15. Acabar com as administrações numerosíssimas de hospitais públicos que servem para garantir aos apadrinhados do poder – há hospitais de cidades com mais administradores que pessoal administrativo… pertencentes Às oligarquias locais do partido no poder…
16. Acabar com os milhares de pareceres jurídicos, caríssimos, pagos sempre aos mesmos escritórios que têm canais de comunicação fáceis com o Governo, no âmbito de um tráfico de influências que há que criminalizar, autuar, julgar e condenar;
17. Acabar com as várias aposentadorias por pessoa, de entre o pessoal do Estado e entidades privadas, que passaram fugazmente pelo LEGISLATIVO.
18. Pedir o pagamento da devolução dos milhões dos empréstimos compulsórios confiscados dos contribuintes, e pagamento IMEDIATO DOS PRECATÓRIOS judiciais;
19. Criminalizar, imediatamente, o enriquecimento ilícito, perseguindo, confiscando e punindo os ladrões que fizeram fortunas e adquiriram patrimônios de forma indevida e à custa do contribuinte, manipulando e aumentando preços de empreitadas públicas, desviando dinheiros segundo esquemas pretensamente “legais”, sem controle, e vivendo à tripa forra à custa dos dinheiros que deveriam servir para o progresso do país e para a assistência aos que efetivamente dela precisam;
20. Não deixar um único malfeitor de colarinho branco impune, fazendo com que paguem efetivamente pelos seus crimes, adaptando o nosso sistema de justiça a padrões civilizados, onde as escutas VALEM e os crimes não prescrevem com leis à pressa, feitas à medida;
21. Impedir os que foram ministros de virem a ser gestores de empresas que tenham beneficiado de fundos públicos ou de adjudicações decididas pelos ditos.
22. Fazer um levantamento geral e minucioso de todos os que ocuparam cargos políticos, central e local, de forma a saber qual o seu patrimônio antes e depois.
23. Pôr os Bancos pagando impostos e, atendendo a todos nos horários do comércio e da indústria.
24. Proibir repasses de verbas para todas e quaisquer ONGs.
25. Fazer uma devassa nas contas do MST e similares, bem como no PT (Partido dos Trambiqueiros) e demais partidos políticos.
26.REVER imediatamente a situação dos Aposentados Federais, Estaduais e Municipais, que precisam muito mais que estes que vivem às custas dos brasileiros trabalhadores e, dos Próprios Aposentados.
27. REVER as indenizações milionárias pagas indevidamente aos “perseguidos políticos” (guerrilheiros).
28. AUDITORIA sobre o perdão de dívidas que o Brasil concedeu a outros países.
29. Acabar com as mordomias  (que são abusivas) da aposentadoria do Presidente da República, após um mandato, nós temos que trabalhar 35 anos e não temos direito a carro, combustível, segurança ,etc.
30. Acabar com o direito do prisioneiro receber mais do que o salário mínimo por filho menor, e, se ele morrer, ainda fica esse beneficio para a família.  O prisioneiro deve trabalhar para receber algum benefício, e deveria indenizar a família que ele prejudicou.
31. Acabar com “assessores” de parlamentares do Congresso que moram em outros Estados sem nada fazerem a não ser dar carteiradas no trânsito.
32. Revisão imediata dos salários do judiciário e os seus pagamentos extraordinários a títulos inventados e só para eles.
33- Acabar com a possibilidade dos juízes contratarem parentes e amigos.
34. Ao final de cada mandato parlamentar verificação compulsória das contas correntes dos políticos e responsabilização por transações de valores incompatíveis com os salários.

PS I – Parece utopia?
PS II – Nós colocamos os políticos no lugar em que eles estão. Através do nosso voto. Mais óbvio nem Nelson Rodrigues diria, que dirá eu. Mas, o fato é que podemos tirá-los de lá ou pelo menos sacudí-los da zona de conforto.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Apontamento - Sérgio Leandro.


Às margens do meu sonho
o mundo vomita sobre
os homens
o dia,
o café amargo ou doce demais,
as recordações tristes que insistem,
as pequenas alegrias,
os comércios de sempre:
o preço do pão,
a gasolina,
a página impressa.
Às margens do meu sonho
dragões cospem fogo
nos capinzais da razão humana.
O dia de hoje não precisava deste apontamento.


13/02/2009

Saída de Emergência - Sérgio Leandro


Meu coração tem uma porta lateral
por onde entram e saem a todo instante
o homem que perdeu a direção,
o cão de olhos tristes,
a criança sem pai,
o poema que não foi passado a limpo...
o que sei da vida é muito pouco
para calar meus medos infantis
e acalentar o homem apavorado.
Meu coração tem uma porta lateral
por onde arrasto um punhado de canções
para alegrar o cão de olhos tristes,
a criança sem pai,
e o homem apavorado.

13/02/2009

EVA - Sérgio Leandro



Eu amo o inferno
que trazes entre as pernas,
teu cheiro inebriante de cio,
as maçãs vermelhas,
os teus ais,
a flor em chamas do teu sexo,
tudo aquilo que guardas,
negas, mas depois me entregas...
da cor dos teus cabelos
ao sangue dos teus pés
loucura e fome se constroem,
o pecador devora o santo.
Deita-te comigo e me ama
doce e ferozmente,
que o leite da espera
anseia o cálice do teu corpo.



10/03/2009

Morada dos Poetas - Sérgio Leandro.


Recife,
na língua dos deuses, morada dos poetas.
Recife,
a Aurora é um poema encharcado numa manhã chuvosa de abril.
Recife,
não quero falar de tuas pontes,
tuas revoluções libertárias,
tuas liberdades sufocadas,
tuas noites de silêncios abissais no bairro antigo...
me bastaria Bandeira da União,
me bastaria a eterna do rio
que atravessa o teu corpo
e que os homens não conseguiram calar.



quinta-feira, 15 de setembro de 2011

O Grande Abraço - Sérgio Leandro


poeta França (in memorian)

                                               "...ó morte servidora da vida,
                                                   porteira com a chave da mansão
                                                   celestial, sê meu Deus..."

Vai poeta, vai.
A canção não tarda,
A vida não se demora
E o grande abraço une o homem às estrelas.

Vai poeta, vai.
Para ser sempre
É preciso ir embora
Porque não nos faz grandes a matéria que treme ao frio,
Mas o pó que se une ao vento.

Vai poeta, vai.
Cumpre a profecia:
O grande abraço nos une à terra,
Somos todos deuses de cinzas
Lançados ao vento.

Vai poeta, vai.



Aos que vierem depois de nós - Bertolt Brecht


Realmente, vivemos muito sombrios!
A inocência é loucura. Uma fronte sem rugas
denota insensibilidade. Aquele que ri
ainda não recebeu a terrível notícia
que está para chegar.

Que tempos são estes, em que
é quase um delito
falar de coisas inocentes.
Pois implica silenciar tantos horrores!
Esse que cruza tranqüilamente a rua
não poderá jamais ser encontrado
pelos amigos que precisam de ajuda?

É certo: ganho o meu pão ainda,
Mas acreditai-me: é pura casualidade.
Nada do que faço justifica
que eu possa comer até fartar-me.
Por enquanto as coisas me correm bem
(se a sorte me abandonar estou perdido).
E dizem-me: "Bebe, come! Alegra-te, pois tens o quê!"

Mas como posso comer e beber,
se ao faminto arrebato o que como,
se o copo de água falta ao sedento?
E todavia continuo comendo e bebendo.

Também gostaria de ser um sábio.
Os livros antigos nos falam da sabedoria:
é quedar-se afastado das lutas do mundo
e, sem temores,
deixar correr o breve tempo. Mas
evitar a violência,
retribuir o mal com o bem,
não satisfazer os desejos, antes esquecê-los
é o que chamam sabedoria.
E eu não posso fazê-lo. Realmente,
vivemos tempos sombrios.


Para as cidades vim em tempos de desordem,
quando reinava a fome.
Misturei-me aos homens em tempos turbulentos
e indignei-me com eles.
Assim passou o tempo
que me foi concedido na terra.

Comi o meu pão em meio às batalhas.
Deitei-me para dormir entre os assassinos.
Do amor me ocupei descuidadamente
e não tive paciência com a Natureza.
Assim passou o tempo
que me foi concedido na terra.

No meu tempo as ruas conduziam aos atoleiros.
A palavra traiu-me ante o verdugo.
Era muito pouco o que eu podia. Mas os governantes
Se sentiam, sem mim, mais seguros, — espero.
Assim passou o tempo
que me foi concedido na terra.

As forças eram escassas. E a meta
achava-se muito distante.
Pude divisá-la claramente,
ainda quando parecia, para mim, inatingível.
Assim passou o tempo
que me foi concedido na terra.

Vós, que surgireis da maré
em que perecemos,
lembrai-vos também,
quando falardes das nossas fraquezas,
lembrai-vos dos tempos sombrios
de que pudestes escapar.

Íamos, com efeito,
mudando mais freqüentemente de país
do que de sapatos,
através das lutas de classes,
desesperados,
quando havia só injustiça e nenhuma indignação.

E, contudo, sabemos
que também o ódio contra a baixeza
endurece a voz. Ah, os que quisemos
preparar terreno para a bondade
não pudemos ser bons.
Vós, porém, quando chegar o momento
em que o homem seja bom para o homem,
lembrai-vos de nós
com indulgência.

Tempo - Ana Peluso




O tempo

tem

dono.


O tempo

tem

sono.


O tempo

faz

temporal


Na madrugada.


E a hora

já passada,

de tanto

passar

passou

da medida.


O tempo

não tem

saída.

Fred Caminha.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Canção Minha - Sérgio Leandro


Quem me dera escrever um poema
Que fizesse adormecer os homens
E acordar os poetas.
Quem me dera uma canção em chamas
Que atravessasse a noite
Sobre esperanças mal iluminadas...
Eu, então, seria um homem feliz
Entre meus passos sem rumo
E teus olhos envoltos em brumas de silêncio...



Sentidos - Sérgio Leandro


Trago um verso triste
Para um mundo que brinca carnaval,
Trago um folguedo
 Para um mundo que conta seus mortos.
Quantos sonhos resistem a um mundo de pesadelos?
Trago um verso de amor
Para falar do amor que não foi,
Do amor que deveria ter sido...
Trago à vida um sonho passado
Para iluminar as trevas do presente,
Faço a mesma oração desesperada
Ao Deus que prefere o silêncio ao tumulto dos homens.
Quanto tempo deve durar sobre a mesa a cerveja da reflexão?
Dois mil cálices do vinho da discórdia
Não matariam a sede humana de rebelião...
Trago um verso lapidado
Para um mundo que desmorona,
Trago um discurso inflamado para homens que tapam os ouvidos...



Para fazer um soneto - Carlos Pena Filho


Tome um pouco de azul, se a tarde é clara,
e espere pelo instante ocasional.
Nesse curto intervalo Deus prepara
e lhe oferta a palavra inicial.

Aí, adote uma atitude avara:
se você preferir a cor local,
não use mais que o sol de sua cara
e um pedaço de fundo de quintal.

Se não, procure a cinza e essa vagueza
das lembranças da infância, e não se apresse.
Antes, deixe levá-lo a correnteza.

Mas ao chegar ao ponto em que se tece
dentro da escuridão a vã certeza,
ponha tudo de lado e então comece.
 


Poema de Natal - Carlos Pena Filho


— Sino, claro sino,
tocas para quem?
— Para o Deus menino
que de longe vem.

— Pois se o encontrares
traze-o ao meu amor.
— E que lhe ofereces,
velho pecador?

- Minha fé cansada,
meu vinho, meu pão,
meu silêncio limpo,
minha solidão.


terça-feira, 13 de setembro de 2011

Alberto da Cunha Melo.


Cai um silêncio de ondas longas
e sucessivas como a chuva.
E que silêncio será esse
que cai assim antes de mim?
Fauna marinha, gestos lentos
de anjos calados golpeando
um polvo em fúria que me espera
(sob os sonhos). Há quanto tempo?
Poucos amigos, tudo salvo,
ainda temos nossas raivas
e uma esperança ilimitada
nos setembros. Mas, até quando?
Caem livros silenciosos
das prateleiras: baixa a luz
morna e abundante sobre as capas.
Que foi feito de tanta noite?
A esperança nova se agarra
entre as barreiras e as ossadas
de nossos morros. E por que
morremos antes de salvá-la?


Fabrício Carpinejar.


Tens de acreditar que os ventos soprarão;
crer na grama nos dias de neve.
É por essa razão que os pássaros podem
cantar em seus dias mais escuros,
eles acreditam na volta da primavera!

Só na velhice a mesa fica repleta de ausências.
Chego ao fim, uma corda que aprende seu limite
após arrebentar-se em música.
Creio na cerração das manhãs.
Conforto-me em ser apenas homem.

Envelheci,
tenho muita infância pela frente.
 
Fonte: http://interludioemflor.blogspot.com/
 

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Alberto da Cunha Melo


O céu parece revestido
de uma camada de cimento:
deixo as marquises porque sei
que esta chuva não passará.
Se esperasse um tempo de paz,
nem meu túmulo construiria.
Começo e recomeço a casa
de papelão em pleno inverno.
Um plano, um programa de ação
debaixo de uma árvore em prantos,
e voltar à primeira página
branca e ferida pela pressa.
A poesia já não seduz
a quem mais forte ultrapassou-a,
libertando um pouco de vida
e luz, da corrente de estrelas.
Toda renúncia nos convida
a recomeçar outra busca,
porque algo a inocência perdeu
no chão, para arrastar-se assim.