segunda-feira, 8 de março de 2010

As flores, as flores...
Os trigais,
As campinas,
Os lajedos...
Arrancar do peito
A canção adormecida.
Reencarnar
Em mais de um milhão
De vidas...

Carlos Maia
07/03/2010

5 comentários:

DUDA disse...

E a beleza no seu fluxo nos deixa alimentados. Que a tua poesia te salve e nos salve também. Poetas , antenas do mundo. Fica vivo porra.

Poeta Carlos Maia disse...

Obrigado, porra, vou tentar!!!!!!

Anônimo disse...

CARLOS, PRESTE ATENÇÃO.
TENTE, MAS TENTE COM FORÇA.
ESTOU NA TORCIDA.
NA ARQUIBANCADA.
NO ALAMBRADO.
PRONTO PRO GRITO DE GUERRA.
AMÉM!!

Anônimo disse...

ARSENIO MEIRA, ESQUECI DE ASSINAR.

Poeta Carlos Maia disse...

Caro amigo virtual Arsênio Meira:

A única certeza que eu tenho atualmente é que posso morrer a qualquer momento - de bala ou vício!